quinta-feira, 10 de julho de 2014

Como mensurar e analisar o marketing digital?

Você já deve ter ouvido muitas vezes que o marketing digital é totalmente mensurável e que com isso conseguirá facilmente ter o ROI das ações executadas.

Você tem certeza de que é fácil assim?
Na prática os profissionais possuem dificuldade em mensurar os resultados devido à falta de planejamento dos indicadores corretos para a tomada de decisão. Em geral ficam presos a “métricas da vaidade” que pouco contribuem para a tomada de decisão e resultados efetivos das ações de marketing digital.
Mas então o que devemos mensurar?
Primeiramente devemos estabelecer as metas gerais do marketing digital. Qual é o total de visitantes, leads, leads qualificados, oportunidades e vendas pretendidas através do investimento disponível para as ações no meio digital? Defina metas SMART (S – Specific ( Específica), M – Mensurable (Mensurável), A – Attainable ( Alcançável), R – Relevant (Relevante) e T – Timely (Temporal).
Definidas as metas é importante definir as métricas de acompanhamento para cada canal digital (website, landing page, blog, mídia digital, e-mail e redes sociais). Sugiro o download do e-book Como mensurar e otimizar Canais de Marketing Digital para conhecer as principais métricas dos principais canais digitais.
Tenha foco na taxa de conversão
Escutamos muito sobre taxa de conversão no e-commerce, mas a verdade é que esse índice pode ser apontado em qualquer tipo de META definida. Confira alguns exemplos de taxa de conversão:
  • E-commerce: total de vendas / total de visitas ao site
  • Cadastro newsletter: total de cadastros / total de visitas
  • Landing page: total de leads / total de visitas
  • Download de materiais: total de downloads / total de visitas.
  • E-mail marketing: total de vendas / total de cliques
Sendo assim, é importante sempre definir os indicadores-chave de desempenho de cada ação digital com base nos objetivos de negócios que a empresa pretende alcançar.
Pensando no seu ativo digital, qual é a taxa de conversão de visitante para lead? E de lead para cliente? Se o interesse é descobrir o quanto o seu ativo digital está gerando negócios ou contribuindo financeiramente para o seu negócio é importante pensar na sua estratégia como um funil de vendas. Além da taxa de conversão sempre compare a um mesmo período de tempo anterior ao atual.
Funil marketing digital








Fonte: Resultados Digitais
Perceba que no exemplo acima as visitas aumentaram em 53%, mas a taxa de conversão diminuiu. Isso significa, no final das contas, que você teve mais visitantes e menos resultado.Quando a empresa analisa apenas as métricas da vaidade, ela acaba ficando descontente.A partir do levantamento desses números, a análise e tomada de decisão ficam mais fáceis, pois é possível pesquisar as hipóteses para a diminuição da taxa de conversão. Além disso, ao analisar os canais digitais, é viável também propor as alterações necessárias para melhorar os resultados.
Para concluir seja muito direto e objetivo com as métricas, mensure o suficiente para conseguir analisar onde podem estar ocorrendo problemas e com base nisso solicite mais informações detalhadas do canal para corrigir as fragilidades.
Uma dica é mensurar o marketing digital avaliando visitantes, leads e clientes e a taxa de conversão sobre o aspecto de alcance do seu ativo digital, a origem do tráfego e suas conversões.
Desenvolvemos para os nossos clientes a mensuração e análise de métricas digitais e ao longo do tempo temos criado algumas planilhas para ajudar a mensurar o ROI das ações. Compartilho abaixo três planilhas de mensuração de resultados para quem tem o interesse de aprofundar os estudos:
Espero que tenha gostado e aguardo seu comentário!
 Aproveite para fazer o download gratuito do nosso e-book sobre métricas digitais.

Banner Chamada Avaliação

sábado, 5 de julho de 2014

CAMPANHA ELEITORAL NA INTERNET



Com o crescimento da internet no dia a dia das pessoas, esta ferramenta se tornou um dos principais meios de relacionamento entre as pessoas, rompendo, muitas vezes, a barreira física existente entre o comunicador e o receptor.
Neste processo de comunicação podemos encontrar pessoas relacionando-se uma com as outras, bem como marcas e pessoas trocando informações sobre produtos, sentimentos, desejos, entre outros assuntos, que antes não era possível, dada a barreira existente do mundo físico.
À medida que esta nova forma de comunicação se desenvolve, surgem novas plataformas de relacionamento, novas regras, novas oportunidades que nunca foram “aproveitadas” anteriormente.
Um dos exemplos é a utilização da internet para a veiculação da propaganda eleitoral.
Para a grande maioria das pessoas, política é um assunto muito delicado de se tratar. Talvez porque há uma grande maioria que não se interessa pelo assunto ou talvez por ser um assunto onde a paixão pode falar mais alto do que a razão.
Enfim, o fato é que nas últimas eleições este assunto ganhou uma grande repercussão dentro da internet e para este ano de 2014 não será diferente. Cabe a nós, profissionais de publicidade, tornarmos este assunto relevante o suficiente para que esta repercussão seja positiva.
Mas como fazer propaganda eleitoral na internet de forma relevante e interessante?
O primeiro ponto, que toda campanha deve se atentar, são as regras do jogo. As campanhas eleitorais são carregadas de regras e normas que os profissionais deverão seguir a risca, caso contrário isto poderá doer no bolso do seu candidato. Sendo assim, este post tem como principal objetivo apresentar as principais regras para se fazer uma campanha correta na internet.
O primeiro item, a saber, é a data de início. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE):
“A propaganda eleitoral somente é permitida a partir de 6 de julho de 2014 (Lei nº 9.504/97, art. 36, caput e § 2º)”.
Outro ponto importante a ser considerado antes de qualquer ação é o que caracteriza ou não propaganda eleitoral:
Art. 3º Não será considerada propaganda eleitoral antecipada (Lei nº 9.504/97, art. 36-A, incisos I a IV):
I – a participação de filiados a partidos políticos ou de pré-candidatos em entrevistas, programas, encontros ou debates no rádio, na televisão e na internet, inclusive com a exposição de plataformas e projetos políticos, desde que não haja pedido de votos, observados pelas emissoras de rádio e de televisão o dever de conferir tratamento isonômico;
Saber quais são as formas de propagandas disponíveis para a internet é outro ponto extremamente importante para as ações, desta forma temos:
Art. 20. A propaganda eleitoral na internet poderá ser realizada nas seguintes formas (Lei nº 9.504/97, art. 57-B, incisos I a IV):
I – em sítio do candidato, com endereço eletrônico comunicado à Justiça Eleitoral e hospedado, direta ou indiretamente, em provedor de serviço de internet estabelecido no País;
II – em sítio do partido ou da coligação, com endereço eletrônico comunicado à Justiça Eleitoral e hospedado, direta ou indiretamente, em provedor de serviço de internet estabelecido no País; 
III – por meio de mensagem eletrônica para endereços cadastrados gratuitamente pelo candidato, partido ou coligação;
IV – por meio de blogs, redes sociais, sítios de mensagens instantâneas e assemelhados, cujo conteúdo seja gerado ou editado por candidatos, partidos ou coligações, ou de iniciativa de qualquer pessoa natural.
Um dos pontos mais importantes, que todo profissional de publicidade deve ter em mente, em uma campanha eleitoral na internet, é que esta não poderá, de forma alguma, ser paga, conforme os artigos 21 e 26 da instrução normativa do TSE que regula a propaganda eleitoral:
Na internet, é vedada a veiculação de qualquer tipo de propaganda eleitoral paga (Lei nº 9.504/97, art. 57-C, caput).
§ 1º É vedada, ainda que gratuitamente, a veiculação de propaganda eleitoral na internet, em sítios (Lei nº 9.504/97, art. 57-C, § 1º, I e II):
I – de pessoas jurídicas, com ou sem fins lucrativos;
II – oficiais ou hospedados por órgãos ou entidades da Administração Pública direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.
§ 2º A violação do disposto neste artigo sujeita o responsável pela divulgação da propaganda e, quando comprovado seu prévio conhecimento, o beneficiário à multa no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$ 30.000,00 (trinta mil reais) (Lei nº 9.504/97, art. 57-C, § 2º).
Art. 26. Sem prejuízo das demais sanções legais cabíveis, será punido, com multa de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$ 30.000,00 (trinta mil reais), quem realizar propaganda eleitoral na internet, atribuindo indevidamente sua autoria a terceiro, inclusive a candidato, partido ou coligação (Lei nº 9.504/97, art. 57-H)
Estas foram algumas dicas para você começar a planejar suas ações online de forma mais segura. Para isto, confira todas as regras neste link

Postagens populares

Pesquisar neste blog