segunda-feira, 25 de junho de 2012

Rede social tem 24 horas para tirar conteúdo do ar


RETIRADA PREVENTIVA


O Superior Tribunal de Justiça definiu esta semana uma questão importante para os direitos dos internautas. A 3ª Turma determinou que mensagens ofensivas publicadas em redes sociais devem ser retiradas do ar em 24 horas após a denúncia, antes de qualquer ordem judicial.
A questão foi levada à Justiça por uma mulher que foi alvo de um perfil falso no Orkut. Denunciou o fato ao Google, dono do site de relacionamentos, que só tirou a página do ar dois meses depois. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro considerou a atitude negligente e disse que as empresas devem atender aos pedidos dos usuários em “tempo razoável”, sem especificar um prazo.
O Google não negou os fatos, mas reclamou de ter sido chamado de negligente. “O lapso temporal entre o recebimento da notificação e a remoção do perfil mostra-se razoável”, disse o site de buscas. Recorreu ao STJ.
A relatora, ministra Nancy Andrighi, manteve o que disse o TJ-RJ e se aprofundou na questão. Considerou que, diante do volume de informações que circulam na internet diariamente, é impossível exigir que provedores de redes sociais evitem a difusão de mensagens ofensivas. Mas ponderou que “a velocidade com que os dados circulam no meio virtual torna indispensável que medidas tendentes a coibir informações depreciativas e aviltantes sejam adotadas célere e enfaticamente”.
Entendeu que prazo razoável para atender ao pedidos dos ofendidos é de 24 horas, sob pena de a empresa responder solidariamente com o autor direto da ofensa. A ministra levou em conta os argumentos do Google sobre a quantidade de informações, e por isso determinou que, em 24 horas, deva ser feita uma “suspensão preventiva”, “até que tenha tempo hábil para apreciar a veracidade das alegações”.
O Google já disse que pretende recorrer da decisão. À Folha de S. Paulo, a diretora jurídica do site disse não ver “nenhuma obrigação ou efeito dessa decisão para o Google”. “Há uma inviabilidade técnica para fazer isso e em nenhum outro lugar do mundo é assim. A decisão de remover é irreversível. Ao tirar do ar, o conteúdo vai embora.”
Em cheque
O advogado especialista em Direito Digital Omar Kaminski vê com desconfiança a iniciativa da ministra de definir a questão. “Inicialmente, a decisão coloca a liberdade de expressão em cheque, porque o juízo de valor deveria vir da instância judiciária, e não da empresa de redes sociais”.

Ele lembra que o Marco Civil da Internet, projeto de lei elaborado pelo governo federal com a promessa de regulamentar as atividades na web, tramita a passos lentos no Congresso. Então, na falta de legislação, o Judiciário, provocado, teve de agir. Kaminski resume a interpretação da ministra: “Na dúvida, e diante da denúncia, manda tirar do ar”.
Entendimentos, como esse, segundo Kaminski, relativizam a liberdade de expressão. “Transformam a liberdade de falar em um direito de segunda classe, o que acaba atingindo o direito de navegação de cada um.” A decisão, na opinião do advogado, “abre um precedente perigoso”.
Kaminski lembra ainda de uma confluência de fatos curiosa: em ano de eleição, as redes sociais são ótimas plataformas de divulgação de plataformas eleitorais. Candidatos podem usar da interpretação do STJ, segundo Kaminski, para minar as divulgações uns dos outros. “Parece que está se delimitando o início de uma guerra eleitoral”, alertou o advogado.
Clique aqui para ler o acórdão do STJ.

domingo, 24 de junho de 2012

Em Londrina: Manifestação contra o Golpe no Paraguai dia 26



População de Londrina e região, na última sexta-feira dia 22, o presidente legitimamente eleito do Paraguai, Fernando Lugo, sofreu um golpe de Estado travestido de impeachment em menos de dois dias. Alvo de pressões internas da elite agrária, do narcotráfico e da pressão internacional dos EUA, o progressista presidente foi derrubado, espalhando a instabilidade e a indignação pela região. 

Não podemos deixar que o golpe passe e seja legitimado, como aconteceu em Honduras. Nesta terça-feira, às 19:00, irá acontecer uma reunião ampla para todos os movimentos, cidadãos, partidos e associações para discutir e encaminhar ações de solidariedade com o povo paraguaio e o presidente legítimo, Lugo.




Exibir mapa ampliado

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Artigo: A chafurdação da velha imprensa, por Rochinha



Em relação às eleições municipais, São Paulo é o foco, mas o PT tem um projeto nacional


As últimas análises feitas pelos colunistas de política trouxeram à tona, mais uma vez, assuntos já bastante requentados pela própria mídia nas suas avaliações passadas. Todos eles com o intuito claramente identificado de confundir parte da militância petista e a opinião pública.
Vamos aos fatos: Mais uma vez publicaram uma matéria tentando passar a versão da existência de dois PT´s: o PT do Lula e o PT da Dilma. O objetivo central disso é tentar fomentar uma discussão que a própria mídia inventou no começo do governo Dilma, assunto que parecia estar definitivamente enterrado. Eles não se conformam. Notaram que esse assunto não pegou em relação ao governo e a gestão e agora desejam levar o mesmo tema para o campo da campanha eleitoral. E ainda tem a desfaçatez de citar, entre outros, nomes de ministros do governo anterior e que estão no atual, como se tivesse ocorrido um rompimento de conotação política entre Lula e Dilma.
E vão além. Tentam passar a versão de que um ou outro (Lula X Dilma) estão em campos opostos de disputa sobre quem será capaz de transferir mais votos para os candidatos às eleições de 2012, quando o processo eleitoral ainda nem começou. Isso pouco importa para nós, do PT, pois o importante é a unidade da militância, o projeto nacional, a liderança dos candidatos e o fortalecimento do arco de alianças para derrotarmos os inimigos políticos e a velha imprensa, que durante todo o tempo inflou a sobrevivência da direita e que agora atua como o seu cabo eleitoral.
Outro fato: Há pouco tempo começando por São Paulo a mídia alardeava que tínhamos um candidato-poste, totalmente isolado e que não conseguia fazer alianças com outros partidos. Não sou daqueles que se deixam empolgar com resultados de pesquisas, mas também não quer dizer que eu menopreze esses indicadores. Mas bastou a divulgação do resultado do Datafolha neste final de semana, que demonstra o crescimento visível e consistente do candidato do PT/PSB, Fernando Haddad/Luiza Erundina, para a velha imprensa expor a seguinte manchete: “Haddad sobe nas pesquisas e Serra lidera a disputa”. Engana-nos, lobo vestido em pele de cordeiro. Na minha opinião, a manchete correta deveria ser: “Candidato do PT/PSB sobe nas pesquisas e candidato do PSDB empaca”. Resumindo, Haddad subiu quase 300%, enquanto o candidato adversário está empacado em relação a três pesquisas anteriores feitas pelo mesmo Instituto.
Os arautos da velha imprensa vão além. Chamam a atenção ou tentam passar a versão sobre a exposição de Haddad nas inserções da propaganda partidária, quando, ao contrário, a exposição aberta e escancarada tem sido feita para o candidato adversário pela própria mídia.
Hoje, dia 18 de junho fecha-se o apoio do PP – Partido Progressista à chapa PT-PSB. Escancaradamente já surgem as análises, sorrateiramente preparadas, para envenenar a opinião pública. Esquecem que as alianças são partidárias e centram essas análises em relação a pessoas. Não pensem que vou fugir do tema. Estou me referindo ao deputado Paulo Maluf, que fez a opção entre PT e PSDB. Enquanto Maluf estava no governo Alckmin, a velha imprensa fazia de conta que ele nem existia. Ou seja, o que é bom para os outros é ruim para nós, na versão generosa da velha imprensa. Só que o intuito é outro: tentar nos isolar no espectro da disputa eleitoral, especialmente em São Paulo, aonde ela própria sabe que é o nosso foco…Aguardem, quem viver verá!
Para concluir quero deixar claro que o PT tem um projeto para o Brasil e a velha imprensa sabe que nós não entramos nas suas marolas. Que venham os fatos e não as versões.
Francisco Rocha, Rochinha, é membro da Comissão Nacional de Ética do PT

sábado, 16 de junho de 2012

Pobres lotam cadeias, ricos entopem tribunais



Na mesma semana em que a polícia divulgou suspeitas que o médico Roger Abdelmassih esteja foragido no Líbano, o ministro Luiz Fux, do STF, negou liberdade a um condenado pelo furto de seis barras de chocolate.

Mesmo reconhecendo o valor ínfimo, Fux rejeitou o trancamento da ação, porque o réu seria "useiro e vezeiro" na prática do crime. 

Roger Abdelmassih teve mais sorte. Foi condenado pela Justiça paulista a 278 anos de reclusão, por violências sexuais que teria praticado durante anos contra dezenas de mulheres que buscavam seu consultório para reprodução assistida. Nas férias forenses, ganhou a liberdade em liminar concedida pelo ministro Gilmar Mendes. 

Nem tudo está perdido, porém. 

O furtador de chocolates não fugiu, e em relação a ele, o direito penal poderá ser aplicado em toda a sua plenitude: um ano e três meses de reclusão. Afinal, por sua reincidência, a insignificância deixou de ser insignificante. 

Nos últimos anos, o STF tem sido reputado como o tribunal mais garantista do país no âmbito criminal - o que fez a decisão relatada por Fux chocar ainda mais a comunidade jurídica. 

Recentemente, o tribunal tomou uma posição reclamada por doutrinadores, proibindo a decretação da prisão, quando ainda existam recursos pendentes. É com base neste entendimento, por exemplo, que o jornalista Pimenta Neves aguarda solto o desenrolar de seus vários apelos. 

A decisão tem justificativa na concepção do processo penal no estado democrático de direito. Todavia, o próprio STF tem sido flexível com este padrão, quando o réu se encontra preso durante o processo. É mais rigoroso, enfim, com quem foi preso desde o início. 

Como a "primeira classe do direito penal" raramente é presa em flagrante, na prática acaba sendo a principal beneficiária da jurisprudência liberal. 

Um acórdão do STJ fulminou inquérito policial contra empresários e políticos, com o bem fundamentado argumento de que 'denúncia anônima' é ilegítima para justificar a devassa telefônica. 

Prisões de centenas de pequenos traficantes país afora, todavia, também costumam ser justificadas por informações obtidas em denúncias anônimas. Por meio delas, policiais revistam suspeitos na rua e pedem buscas e apreensões. Custa crer que a jurisprudência se estenderá a todos eles. 

Se as cadeias estão superlotadas de réus pobres, os recursos que entopem nossos tribunais têm uma origem bem diversa. 

O Conselho Nacional de Justiça divulgou a lista dos maiores litigantes do Judiciário, onde se encontram basicamente duas grandes espécies: o poder público e os bancos. 

Como assinalou o juiz Gerivaldo Neiva, em análise que fez em seu blog (100 maiores litigantes do Brasil: alguma coisa está fora da ordem), os esforços da justiça estariam em grande parte concentrados entre "caloteiros e gananciosos". 

Verdade seja dita, o acesso aos tribunais superiores não é apenas protelatório. 

Só o Superior Tribunal de Justiça, o "Tribunal da Cidadania", editou nada menos do que quatro súmulas que favorecem diretamente aos bancos, como apontou Neiva. Entre elas a que proíbe o juiz, nos contratos bancários, de considerar uma cláusula abusiva contra o consumidor, se não houver expressamente a alegação no processo. 

A decisão, que serve de referência para a jurisprudência nacional, inverte o privilégio criado pelo código do consumidor. Mas a Justiça parece considerar, muitas vezes, que bancos não têm as mesmas obrigações. 

O STF, a seu turno, não se mostra tão garantista em outros campos. 

Avança na precarização dos direitos trabalhistas, principalmente ao ampliar a aceitação da terceirização. Em relação aos funcionários públicos, destroçou com a força de uma súmula vinculante, a exigência de mero advogado nos processos disciplinares, e com outra a possibilidade de usar o salário mínimo como indexador de adicionais, proibindo ainda o juiz de substitui-lo por qualquer outra referência. 

Não há sentido mais igualitário do que o princípio básico da justiça: dar a cada um o que é seu. Regras tradicionais de interpretação das leis privilegiam sempre a equidade. Se tudo isso ainda fosse pouco, a redução das desigualdades é nada menos do que um dos objetivos principais da República. 

Por mais que a Justiça julgue cada vez mais e se esforce para julgar cada vez mais rápido, não se pode deixar de lado a questão fundamental da igualdade e com ela a proteção aos direitos fundamentais. 

É certo que a sociedade brasileira é profundamente desigual e que a maioria das leis aprofunda esse fosso ao invés de reduzi-lo. 

Mas a obrigação de ser o anteparo da injustiça significa também impedir o arbítrio do poderoso, a danosa omissão do mais forte e a procrastinação premeditada do grande devedor. 

Temos de entender que o direito existe em função dos homens e não o contrário. 

Não há formalismo que possa nos impedir de tutelar a dignidade humana, diante da repressão desproporcional ou da desproteção dos valores mais singelos. 

Para que os fortes se sobreponham pela força, a lei da selva sempre foi suficiente. 

Deve haver uma razão para que a humanidade a tenha abandonado.

46 anos, juiz de direito em São Paulo e escritor. Membro e ex-presidente da Associação Juízes para a Democracia, autor do romance "Certas Canções". Colunista no Terra Magazine.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Militante do PT foi Morto: Ação nas redes sociais marcara um ano do assassinato

Um dirigente do PT que perdeu a vida na luta da verdade e da liberdade 




Nesta sexta-feira, 15, diversas atividades marcam um ano do assassinato do 3º blogueiro e ativista social em todo o mundo (antes de #EdinaldoFilgueira foram mortos por seu ativismo o iraniano Omid Reza Mir Sayafi e o Bahraini Zakariya Rashid Hassan al-Ashiri).
A Deputada Federal Fátima Bezerra (PT-RN) apresentará projeto de lei idealizado no III Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, haverá passeata e missa em sua cidade Natal, além de um twitaço com a hashtag #EdinaldoFilgueira. Edinaldo Filgueira foi um lutador social, filho de agricultores que nem sobrenome possuíam. Foi militante no movimento estudantil, cultural, adquiriu formação superior, jornalista, blogueiro, presidente do PT em sua cidade, e é um mártir na luta pela democratização das comunicações.
Para assistir ao documentário, basta clicar aqui. O Blog da Dilma já divulgou a iniciativa em uma entrevista que pode ser lida aqui. A seguir republicamos um texto escrito pouco após o abominável crime:

“Mas existe nesta terra
muito homem de valor
que é bravo sem matar gente
mas não teme o matador
que gosta de sua gente
e que luta a seu favor
como #EdinaldoFilgueira*
feito de ferro e flor”

Serra do Mel é uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Norte, uma terra onde muitas leis apenas estão nos livros e papeis, e que a realidade não é crível.
Fruto de um projeto de reforma agrária, a cidade foi planejada com 23 agrovilas, projeto baseado nos moshav israelenses. Cada agrovila possui um nome de um estado brasileiro, e o centro administrativo está nas vilas de Brasília e do Rio Grande do Norte, hoje conurbadas.
Uma cidade em que a democracia é apenas uma ilusão. Uma cidade em que a única torre de telefonia é desligada a mando dos poderosos conforme o seu interesse. Uma cidade em que seus habitantes não escolhem democraticamente os seus governantes. Uma cidade em que o coronelismo se espelha no número de eleitores, dois mil votantes a mais que habitantes, com ônibus transportando desconhecidos dos locais. Uma cidade em que é proibido andar de capacetes em motocicletas, em face ao crime organizado e constante ameaça de pistoleiros.
Edinaldo Filgueira era um dos colonos de Serra do Mel, e sua batalha era contra a opressão e o sistema coronelista local. Foi o fundador e editor do primeiro jornal da cidade, também foi o homem que levou o acesso a internet para Serra do Mel, tanto o provedor de acesso, quanto a lan house da pequena cidade.
Com muito suor conseguiu se formar em administração de empresas, viajando 60km todas as noites após um dia de trabalho. Mas Edinaldo era incansável, era o organizador independente que tocava grupos de teatros, concursos de canções, mostras folclóricas de boi de reis.
Ednaldo, antes de tudo, acreditava na informação como forma de libertação da humanidade. Acreditava que o conhecimento e a comunicação livres eram as armas para destruir os grilhões. Edinaldo era blogueiro, e foi assassinado ao questionar a população através de uma enquete em seu blogue sobre a educação pública de Serra do Mel. Ameaçado, retirou a enquete do ar – mas a sua vida já estava encomendada a um grupo de pistoleiros, já perseguidos pela polícia na operação “matadores de aluguel”. Sua vida foi ceifada em frente de seu pequeno comércio, um dia após colocar na web a enquete, sem direito à defesa, de maneira covarde. A loja de Edinaldo ficava a apenas 50m da delegacia de polícia, mas nada foi feito em sua defesa.
Edinaldo foi morto quando concluía a edição 51 de seu jornal. Resgatamos o material inconcluso, escrevemos alguma homenagem, e entregamos ao povo de Serra do Mel.Esta edição do jornal pode ser lida aqui. Edinaldo conseguiu que a edição 51 do Jornal o Serrano fosse distribuída, mas Edinaldo nunca poderá ser substituído.
Que Edinaldo nunca seja esquecido, calado, que a sua voz sempre ecoe. Faltam palavras para este que escreve sobre a tristeza amarga de ver uma pessoa simples, humilde, lutadora, ser morta. Mas não faltará trabalho, nem vontade de lutar por justiça. O prefeito de Serra do Mel é indiciado como autor intelectual do crime, e entre os matadores presos, três são parentes do prefeito. Somos frágeis, somos humanos, mas somos muitos. Os poderosos não poderão dar conta de todos.
*Poema escrito por Ferreira Gullar para homenagear o líder camponês Gregório Bezerra, lido durante a entrega dos jornais em Serra do Mel como parte das homenagens a Edinaldo Filgueira. (17/12/2011) 
(texto por Tiago Aguiar; documentário por Tiago Aguiar e Adriana Amorim; O projeto de lei foi redigido por Liana Carlan. A lista de agradecimentos é imensa, tão extensa que ocuparia muitos posts. Tudo foi realizado na militância pela democratização das comunicações)

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Internet já é a 2ª maior mídia em receita no Brasil




Internet na frente


FOTO: Reprodução

O IAB Brasil divulgou um balanço sobre a distribuição das mídias no Brasil e trouxe a constatação de que a internet já deixou o jornal para trás quanto aos investimentos publicitários. De acordo com a entidade, a rede possui atualmente 11,98% de participação de mercado, enquanto o jornal responde por 11,06% e a TV está na ponta com 60,63%. Previa-se que a ultrapassagem acontecesse até o final do ano, quando a internet deve atingir 13,7% de participação no bolo - em 2011 o meio estava com 11%. Segundo o IAB, a web manterá taxa de crescimento quatro vezes superior à média de todo o mercado.
No ano passado, o meio apresentou faturamento de R$ 3,3 bilhões, somando R$ 1,4 bi de display e R$ 1,8 bi das buscas. Para este ano, espera-se que feche em R$ 4,6 bilhões, um crescimento de 39,1%.
Isso deve acontecer por conta do crescimento individual no investimento em display (25%) e nas buscas (50%), que terminarão o ano com faturamento de R$ 1,8 bilhão e R$ 2,8 bi, respectivamente. (Veja o estudo, em PDF,aqui.)

Redação Adnews



domingo, 10 de junho de 2012

Rosane Bertotti é entrevistada por André Guimarães


 Blogueiros precisam de mais debate sobre o Marco Civil da Internet 

Militantes virtuais querem maior debate sobre o tema fora do Congresso


O projeto de lei (PL 2126/11) sobre o Marco Civil da Internet está sendo analisado, na Comissão Especial, da Câmara dos Deputados. Mas boa parte dos ativistas virtuais querem que esse novo momento seja debatido intensamente também fora do parlamento. O debate do Marco Civil, no entanto, já tem uma discussão fora do Congresso Nacional, como explica a secretária Nacional de Comunicação da CUT, Rosane Bertotti.
“O movimento social sempre teve a comunicação na pauta e é necessário estabelecer uma nova correlação de força que pode se estabelecer na prática”, defende Bertotti.
Na avaliação de Rosane o debate sobre o Marco Civil da internet tem que acontecer na prática. “Nessa relação nova com a Internet, os movimentos sociais estão percebendo que é possível fazer parte deste poder, fazer parte da comunicação, o movimento social tem que fazer parte deste debate”.
Outro fato citado pela secretária é a implantação de fato de um sistema de banda larga eficiente. “Se nós estamos com a blogosfera, onde o instrumento principal de acesso é a internet, aí por isso a importância de termos banda larga de fato nesse país, que ele saia do papel, que ele se reestruture”, ressaltou.
(André Guimarães e Neide Freitas – Portal do PT)

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Blogueiro quer Conselho para debater a comunicação



Ativistas digitais defendem a construção de uma comunicação com mais pluralidade e marco regulatório no setor.

O presidente do Centro de Estudos Barão de Itararé, Altamiro Borges, defendeu a blogosfera e as redes sociais na abertura do 3º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, em Salvador.
“Acho que a blogosfera está incomodando, é só a gente ver os recentes ataques da revista veja, no editorial da globo. A gente vem ganhando mais visibilidade, ganhando força, ganhando mais legitimidade. O mundo da blogosfera é muito horizontal, é muito diverso, é muito plural e o esforço é como a gente garante a liberdade de expressão, como a gente defende esse novo instrumento”.
Altamiro Borges informou que o a presidenta Dilma Rousseff sinalizou que faria uma consulta à sociedade sobre mídia. “Nós queremos que faça essa consulta, esse é um debate fundamental para a sociedade brasileira, comunicação é um direito, comunicação mexe com a subjetividade humana. Como se tem conselhos para discutir saúde pública nós queremos um conselho para discutir comunicação”.
(André Guimarães e Neide Freitas – Portal do PT)

terça-feira, 5 de junho de 2012

Entrevista com Renato Simões - Democratização das comunicações




Em referência as concessões, petista diz que a democratização das comunicações está na ordem do dia


Entre as propostas apresentadas no 3º Encontro Nacional de Blogueiros, segundo o secretário de movimentos populares do Partido dos Trabalhadores (PT), Renato Simões, está a democratização da Comunicação que deverá levar a blogosfera para as ruas e participar da ampla campanha pela democratização da comunicação.
“Nós não podemos continuar governando o Brasil, sem que esse governo transforme importantes espaços que se encontram ainda privatizados em espaços públicos, e a comunicação é um deles. Há uma enorme luta que vem, desde a ditadura militar, por mudanças no nosso modelo de comunicação, e o avanço tecnológico e a organização dos blogueiros aqui neste encontro são mais um passo adiante no sentido de fazer com que a sociedade democratize aquilo que é possível, cobrando do governo e do parlamento a aprovação de mudanças no marco civil da internet”, afirmou Renato Simões.
Nas palavras de Simões, “os blogueiros progressistas tem um papel fundamental na luta pela democratização da comunicação, que é uma das reformas democráticas e populares que se encontra na ordem do dia”.


(André Guimarães e Hosa Freitas – Portal do PT)

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Franklin Martins fala com André Guimarães: “A blogosfera é o grilo falante do pinóquio da imprensa”






Jornalista e ex-ministro da Secom participou do 3º Encontro dos Blogueiros Progressistas, em Salvador

O debate em torno do marco regulatório da comunicação reuniu figuras importantes do jornalismo brasileiro. Ativistas que participaram do 3º Encontro de Blogueiros Progressistas—BlogProg, entre eles o ex-ministro de comunicação, Franklin Martins, querem uma imprensa sem censura.

“A blogosfera é algo importante no mundo e especialmente importante no Brasil porque ela não quebra inteiramente, mas rompe um pouco com o oligopólio da informação”.

Ele disse ainda que apenas quatro ou cinco grupos controlam a informação e querem dizer para sociedade o que ela pode saber, não pode saber e que isso tem que acabar.

Franklin Martins comparou a blogosfera com o grilo falante que era uma espécie de consciência de Pinóquio.

“A blogosfera é o grilo falante da imprensa brasileira. Quando o Pinóquio mente, a blogosfera vai em cima de Pinóquio e diz, seu nariz tá crescendo, você tá mentindo e isso começou a criar muita discussão em torno do trabalho da comunicação que é muito positivo porque no Brasil se discute tudo, é futebol, é samba, política,  economia, só não discute imprensa e tem que discutir imprensa”, enfatizou.

Na avaliação do jornalista ter mais gente expressando opinião, participando do debate, qualificando a informação e produzindo a informação,  tira poder da mão de um grupo restrito o que é muito positivo para democracia.

(André Guimarães e Hosa Freitas - Portal do PT)

Postagens populares

Pesquisar neste blog