sexta-feira, 27 de maio de 2011

E as adequações do terminal urbano de Londrina ?

Todos esqueceram, mais eu não. Cadê as adequações do terminal urbano de Londrina Barbosa? No ultimo dia 14 de maio completou-se um ano em que o conselho municipal dos direitos da pessoa com deficiência, fez um trabalho de conscientização com parlamentares e o prefeito, com relação a Acessibilidade no terminal Urbano de Londrina Este trabalho foi feito como um forma de dinâmica onde os vereadores sentiram por algumas horas o que é ter algum tipo de deficiência. E nesse dia o prefeito, prometeu para toda a imprensa que as obras de adequação do terminal urbano estariam em inicio no maximo em 60 dias. Neste dia também foi nomeado um assessor especial para assuntos de acessibilidade em Londrina o senhor José de castro. Agora a pergunta que eu faço é a seguinte (e gostaria que ela não fosse entendida como critica a este ou aquele). Cadê as obras? Até o presente momento o que foi feito (e apenas e tão somente isto) um adequação de calçadas em torno do terminal e a faixa elevada, e ai? Cadê as adequações DENTRO do terminal urbano? Que foi o alvo deste reportagem abaixo. Quer saber mais entre aqui http://provincialondrina.blogspot.com/

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Gosta de Redes Sociais ? Não perca o Blog Toda a Rede




o BLOG TODA REDE das jornalistas Erica Zanon e Carol Avansini e fala sobre comunicação, tecnologia, cultura.

Redes sociais são armas para combater a inflação, diz Dieese



Por Redação do IDG Now!

Segundo economista do instituto, ferramentas como Twitter e Facebook devem ser usadas pela população para indicar melhores preços e denunciar abusos.


A inflação, que já foi um grande problema no Brasil até a década de 1990, volta a preocupar o governo e a população. Segundo os últimos levantamentos, ela já superou o teto da meta oficial (6,5%). Para ajudar a combatê-la, a população conta, desta vez, com uma nova arma, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese): as redes sociais.

Segundo a economista Cornélia Nogueira, do Dieese (em entrevista à Agência Brasil), a população deve utilizar ferramentas como Twitter e Facebook para divulgar os locais onde podem ser encontrados os melhores preços de bens e serviços, além de denunciar abusos, ajudando a denunciar quem colabora com a volta da inflação.

Leia também: Google deve anunciar notebook com Chrome OS por US$ 20/mês

Cornélia é da ala que discorda da avaliação do governo, de que “o pior já passou” e que a tendência agora é de queda nos preços. “No ano passado, nesta época, a inflação estava muito baixa. Neste ano, não vai ser fácil chegar aos patamares de maio e junho passados”, afirma.

Para ela, a população deve se proteger e pechinchar, o máximo que puder, na hora de contratar qualquer tipo de serviço. E compartilhar as informações de bons negócios. “As pessoas podem usar as redes sociais na Internet para denunciar abusos de preço e sugerir marcas e produtos alternativos com preços menores”, ressalta.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Dzi Croquettes


A trajetória do irreverente grupo carioca Dzi Croquettes, que marcou o cenário artístico brasileiro nos anos 70. O conjunto contestava a ditadura por meio do deboche e da ironia e defendia a quebra de tabus sociais e sexuais. O grupo é lembrado por depoimentos de artistas e amigos como Liza Minnelli, Ron Lewis, Gilberto Gil, Nelson Motta, Marília Pêra, Ney Matogrosso, Betty Faria, José Possi Neto, Miéle, Jorge Fernando, César Camargo Mariano, Cláudia Raia, Miguel Falabella, Pedro Cardoso e Norma Bengell.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Morte de Bin Laden: Fez-se vingança, não justiça


 
Leonardo Boff
Teólogo/Filósofo

Alguém precisa ser  inimigo de si mesmo e contrário aos valores humanitários mínimos se aprovasse o nefasto crime do terrorismo da Al Qaeda do 11 de novembro de 2001 em Nova Iorque. Mas é por todos os títulos inaceitável que um Estado, militarmente o mais poderoso do mundo, para responder ao terrorismo se tenha transformado ele mesmo num Estado terrorista. Foi o que fez Bush, limitando a democracia e suspendendo a vigência incondicional de alguns direitos, que eram apanágio do pais. Fez mais, conduziu duas guerras, contra o Afeganistão e contra o Irã, onde devastou uma das culturas mais antigas da humanidade nas qual foram mortos mais de cem mil pessoas e mais de um milhão de deslocados.

Cabe renovar a pergunta que quase a ninguém interessa colocar: por que se produziram tais atos terroristas? O bispo Robert Bowman de Melbourne Beach da Flórida que fora anteriormente piloto de caças militares durante a guerra do Vietnã respondeu, claramente, no National Catholic Reporter, numa carta aberta ao Presidente:”Somos alvo de terroristas porque, em boa parte no mundo, nosso Governo defende a ditadura, a escravidão e a exploração humana. Somos alvos de terroristas porque nos odeiam. E nos odeiam porque nosso Governo faz coisas odiosas”.  

Não disse outra coisa Richard Clarke, responsável contra o terrorismo da Casa Branca numa entrevista a Jorge Pontual emitida pela Globonews de 28/02/2010 e repetida no dia 03/05/2011. Havia advertido à CIA e ao Presidente Bush que um ataque da Al Qaeda era iminente em Nova York. Não lhe deram ouvidos. Logo em seguida ocorreu, o que o encheu de raiva. Essa raiva aumentou contra o Governo quando viu que com mentiras e falsidades Bush, por pura vontade imperial de manter a hegemonia mundial, decretou uma guerra contra o Iraque que não tinha conexão nenhuma com o 11 de setembro. A raiva chegou a um ponto que por saúde e decência se demitiu do cargo.

Mais contundente foi Chalmers Johnson, um dos principais analistas da CIA também numa entrevista ao mesmo jornalista no dia 2 de maio do corrente ano na Globonews. Conheceu por dentro os malefícios que as mais de 800 bases militares norte-americanas produzem, espalhadas pelo mundo todo, pois evocam raiva e revolta nas populações, caldo para o terrorismo. Cita o livro de Eduardo Galeano “As veias abertas da A.Latina” para ilustrar as barbaridades que os órgãos de Inteligência norte-americanos por aqui fizeram. Denuncia o caráter imperial dos Governos, fundado no uso da inteligiência que recomenda golpes de Estado, organiza assassinato de líderes e ensina a torturar. Em protesto, se demitiu e foi ser professor de história na Universidade da Califórnia. Escreveu três tomos “Blowback”(retaliação) onde previa, por poucos meses de antecedência, as retaliações contra a prepotência norte-americana no mundo. Foi tido como o profeta de 11 de setembro. Este é o pano de fundo para entendermos a  atual situação que culminou com a execução criminosa de Osama Bin Laden.

Os órgãos de inteligência norte-americanos são uns fracassados. Por dez anos vasculharam o mundo para caçar Bin Laden. Nada conseguiram. Só usando um método imoral, a tortura de um mensageiro de Bin Laden, conseguiram chegar ao su esconderijo. Portanto, não tiveram mérito próprio nenhum.

Tudo nessa caçada está sob o signo da imoralidade, da vergonha e do crime. Primeiramente, o Presidente Barak Obama, como se fosse um “deus” determinou a execução/matança de Bin Laden. Isso vai contra o princípio ético universal de “não matar” e dos acordos internacionais que prescrevem a prisão, o julgamento e a punição do acusado. Assim se fez com Hussein do Iraque,com os criminosos nazistas em Nürenberg, com Eichmann em Israel e com outros acusados. Com Bin Laden se preferiu a execução intencionada, crime pelo qual Barak Obama deverá um dia responder. Depois se invadiu território do Paquistão, sem qualquer aviso prévio da operação. Em seguida, se sequestrou o cadáver e o lançaram ao mar, crime contra a piedade familiar, direito que cada família tem de enterrar seus mortos, criminosos ou não, pois por piores que sejam, nunca deixam de ser humanos.

Não se fez justiça. Praticou-se a vingança, sempre condenável.”Minha é a vingança” diz o Deus das  escrituras das três  religiões abraâmicas. Agora estaremos sob o poder de um Imperador sobre quem pesa a acusação de assassinato. E a necrofilia das multidões nos diminui e nos envergonha a todos.

Leonardo Boff é autor de Fundamentalismo, terrorismo , religião e paz, Vozes 2009.

RAUL SEIXAS - "A LEI"


Todo homem tem direito
de pensar o que quiser
Todo homem tem direito
de amar a quem quiser
Todo homem tem direito
de viver como quiser
Todo homem tem direito
de morrer quando quiser

Direito de viver
viajar sem passarporte
Direito de pensar
de dizer e de escrever
Direito de viver pela sua própria lei
Direito de pensar de dizer e de escrever
Direito de amar,
Como e com quem ele quiser

A lei do forte
Essa é a nossa lei e a alegria do mundo
Faz o que tu queres ah de ser tudo da lei
Fazes isso e nenhum outro dirá não
Pois não existe Deus se nao o homem
Todo o homem tem o direito de viver a não ser pela sua própria lei
Da maneira que ele quer viver
De trabalhar como quiser e quando quiser
De brincar como quiser
Todo homem tem direito de descansar como quiser
De morrer como quiser
O homem tem direito de amar como ele quiser
De beber o que ele quiser
De viver aonde quiser
De mover-se pela face do planeta livremente sem passaportes
Porque o planeta é dele, o planeta é nosso.
O homem tem direito de pensar o que ele quiser, de escrever o que ele quiser.
De desenhar, de pintar, de cantar, de compor o que ele quiser
Todo homem tem o direito de vestir-se da maneira que ele quiser
O homem tem o direito de amar como ele quiser, tomai vossa sede de amor, como quiseres e com quem quiseres
Há de ser tudo da lei
E o homem tem direito de matar todos aqueles que contrariarem a esses direitos
O amor é a lei, mas amor sob vontade
Os escravos servirão
Viva a sociedade alternativa
Viva Viva

Direito de viver, viajar sem passaporte
Direito de pensar de dizer e de escrever
Direito de viver pela sua própria lei
Direito de pensar de dizer e de escrever
Direito de amar, como e com quem ele quiser

Todo homem tem direito
de pensar o que quiser
Todo homem tem direito
de amar a quem quiser
Todo homem tem direito
de viver como quiser
Todo homem tem direito
de morrer quando quiser


Postagens populares

Pesquisar neste blog