domingo, 21 de março de 2010

O PIG institucionalizado: Instituto Millenium o novo golpe da direita brasileira







Conheça o projeto da direita mesquinha, preconceituosa e demagoga: O Instituto Millenium.

Os Principais "caudilhos" da Direita Brasileira estão representados no INSTITUTO MILLENIUM, uma espécie de organização de inteligência para a implementação de políticas conservadoras. 


Leia o Artigo de Adriano Andrade, que define bem esta nova facção Brasileira:






INSTITUTO MILLENIUM, CATALISADOR DE IDEIAS CONSERVADORAS. 





Apoiado por barões da mídia e das finanças, organização pretende promover ideais como a economia de mercado e a meritocracia 




Adriano Andrade, 


Antes do golpe civil-militar de 1964, houve no Brasil duas instituições de atuação interligada: o Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD) e o Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais (IPES), financiados por empresários nacionais e estadunidenses. Embora não tenham resistido até o golpe, foram responsáveis por promover a agitação intelectual que nele resultou. Em 2005, surge no Rio de Janeiro uma instituição em diversos aspectos semelhante. 


O Instituto Millenium foi criado como um think tank, uma organização para promover ideais de direita. Defendem a propriedade privada, a economia de mercado, a democracia representativa e a meritocracia. Embora não possuam vínculo formal, é o principal entusiasta da entrada da UnoAmerica no país, ao lado da Academia Brasileira de Filosofia. 




O instituto é presidido por Patrícia Carlos de Andrade. Ex-mulher de um ex-integrante do Banco Central, foi analista de economia e política nos bancos Icatu e JPMorgan. Há quatro anos passou a se dedicar de forma voraz à construção do Instituto Millenium. Patrícia é filha do falecido jornalista Evandro Carlos de Andrade. 


Em 1995, ele passou a coordenar a Central Globo de Jornalismo e sua gestão é tida como responsável por dar maiores feições de "imparcialidade" e "seriedade" ao jornalismo global na verdade, parcialidade hipócrita e defesa mascarada dos interesses da burguesia. 

Os vínculos do instituto com a grande mídia não param por aí. Entre os dez principais mantenedores, estão João Roberto Marinho, das Organizações Globo, Roberto Civita, da Editora Abril, e Washington Olivetto, da W/Brasil. 

O Conselho Editorial é capitaneado por Eurípedes Alcântara, diretor de redação da revista Veja. Entre os integrantes, está Pedro Bial, o comentarista de múltiplos assuntos Carlos Alberto Sardenberg e o intelectual preferido da direita Demétrio Magnoli. 

Os "especialistas" propagandeados pelo instituto também têm passagem frequente pela mídia. Quando o assunto era a criação da CPI da Petrobras, por exemplo, Alexandre Barros era a voz do momento. Foi o governo federal anunciar suas políticas para o pré-sal, Adriano Pires, também indicado pelo instituto, ganhou projeção nos telejornais considerando ruim o projeto, porque seria "estatizante". 





OS MANTENEDORES 


O gestor do fundo patrimonial é ninguém menos do que Armínio Fraga, presidente do Banco Central de 1999 a 2002. Seu antecessor, Gustavo Franco, também integra o time. Entre os membros do instituto também estão os delegados da UnoAmerica no Brasil, Heitor de Paola e Graça Salgueiro. Já entre os mantenedores, Jorge Gerdau (Gerdau), Sergio Foguel (Odebrecht), Pedro Henrique Mariani (Banco BBM), Salim Mattar (Localiza), Marcos Amaro (Amarco Participações TAM), Maristea Mafei (Máquina de Notícias) e William Ling (Petropar). O instituto promove anualmente o que chamam de "Dia da Liberdade de Impostos". 


Para se ter uma ideia do nível de conservadorismo de seus integrantes, Patricia, Heitor e Graça assinaram, em 2002, o "Manifesto contra a ditadura esquerdista na mídia ", de Olavo de Carvalho. O documento protestava contra um suposto predomínio de valores progressistas na mídia brasileira.

Nenhum comentário:

Postagens populares

Pesquisar neste blog