sábado, 19 de setembro de 2009

Será que terei tempo?





Será que o tempo talvez não seja cruel com algumas pessoas e, muitas vezes, bondoso demais com outras?

TEXTO: MAYARA CUNHA

EDIÇÃO: JUNIOR BAVIA

É uma pena que o ano não tenha mais dias,
É uma pena que os dias não tenham mais horas
Que as horas não tenham mais minutos e que os minutos não tenham mais segundos ...
Eu ainda quero fazer tantas coisas nessa minha vida
Preciso fazer tantas pessoas felizes
Preciso realizar tantos sonhos
Será que terei tempo?

Preciso ter meu emprego e ganhar dinheiro,
Ter minha casa e meu carro,
Meu marido e meus filhos
Ver minha barriga crescer e sair de dentro dela aquele que amarei por toda a vida
Por quem eu passarei noites acordadas, e ainda assim, nunca deixarei de amar,
Será que terei tempo?

Tempo pra voltar atrás se eu me arrepender,
Tempo pra me despedir de quem eu nunca queria que partisse
De conhecer os lugares que eu sempre quis,
De dizer eu te amo verdadeiramente,
De pedir desculpas antes que seja tarde,
Será?

Será que o tempo talvez não seja cruel com algumas pessoas?
E muitas vezes bondoso demais com outras?
Quem pode julgar?

A vida é feita de momentos,
Momentos em que se ama e é amado,
Momentos em que se perdoa e é perdoado,

Cada qual é dono do seu tempo,
Não importa quanto tempo tenha o seu tempo,
Chore, dance, viaje, grite, pule, se isole, perdoe, corra, beije, escreva, caminhe, leia, coma, beba, durma, trabalhe, descanse, observe, reflita, limpe, suje, bagunce, arrume.
E ame.


fonte, WEB Jornal Comtexto, um projeto do curso de jornalismo da UNOPAR

Nenhum comentário:

Postagens populares

Pesquisar neste blog